• Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Evanir Garcia

  • Jonas Sanches

  • Franciangela

  • Nato Matos

03/11/2011

Versos no coração





Caneta na mão, versos no coração.
( Francilangela)

O poeta vive do escrever.
Escreve o que vive,
Escreve o que observa,
Escreve o que imagina.

A tudo quer transformar em poema.
O início e o fim.
A alegria e a tristeza.
O amor e o ódio.

A dor e a felicidade.
A rima e a falta dela.
Sem rima, com rima,
Cem poemas determina.

O nascer e o morrer
Em seus versos presentes
Transforma o leitor
Cúmplices ausentes.

Relação de amor universal,
Seja qual língua for,
Poeta e poema,
Eterno amor.

Trabalho sem igual
Dedicação total
A caneta está na mão,
E os versos, no coração.

A caneta na mão do poeta
É ser que desenrola.
Os versos do coração,
Arrola.

Os versos no coração do poeta
Descreve sua alma ímpar.
O que muito imagina
No papel aparece.

Versos e estrofes
Poesia e tema
Tudo junto e misturado
Para formar o poema.

Eu não sei o que dizer
Para você entender
Que a vida do poeta
O poema passa a ser.

E feliz a escrever,
Ele não deixa faltar,
Encanto e energia,
Para sua poesia mostrar.

Texto e criação de Francilangela.


Leia mais textos de Francilangela clicando no link abaixo:

4 COMENTÁRIOS:

✿ chica

Lindo poema e bem inspirado sempre como todos dela que tenho lido!beijos,chica

Renata Diniz

Linda poesia. Beijos!

Anônimo

Poeta e poema se encontram, se inventam, reinventam, transformam e seguem juntos vida a fora. Sua caneta deixa os rastros por onde o seu coração andou. Lindo poema, parabéns! Beijos. Jaime Rezende Mariquito.

Francilangela Clarindo

Lindo, gente! Obrigada!

Compartilhe