• Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Evanir Garcia

  • Jonas Sanches

  • Franciangela

  • Nato Matos

22/12/2011

A gente se acostuma





A GENTE SE ACOSTUMA
( TONINHO BIRA)



É sabida do ser humano, a tendência a se acostumar às situações, que a vida se lhe apresenta. A cada etapa de nossas vidas somos colocados aos desafios. De saída enfrentamos a situação de conviver com nossos primeiros medos e frustrações, aventuras. O medo de cair pela falta do equilíbrio, vem o engatinhar. Inversa/inocentemente tem-se a coragem para agarrar o rabo de um felino ou mesmo de um cachorro, ou se aventurar descer perigosas escadas. Ali tem inicio da famosa proteção assistida dos pais, tios, avos ou babás.

Acostumamos a ter proteção vigiada, entregamos a ela sem perceber, que ela um dia vai embora. O medo de errar nos persegue ao longo da vida, que às vezes nos impede de buscar novas aventuras e sucessos, vamos acostumando a fazer com que nos pareça mais fácil ou menos perigoso, como numa escala inconsciente de risco, que fica enraizada em nosso subconsciente. Creio que aí, originam-se nossas frustrações, nossos fantasmas, que nos assombrarão pela longa jornada. 

Nesta longa caminhada deparamos com uma vida nua e crua a ser vivida, quando aquela mão já não nos ampara. Os modelos que se apresentam nos chocam. É quando passamos a não querer mais, a acostumar com os parâmetros impostos por nossas famílias, igreja, escola e a sociedade. Tempo de apurar nossas vocações profissionais e políticas. Justamente neste momento é que muitos se perdem, pela falta da base. Muito comum ver pessoas estiradas pelas estradas da vida nesta etapa, onde as proteções não se evidenciam, e às vezes nem são aceitas. Neste momento, que muitos se perdem pelas drogas, alcoolismo como sendo um caminho mais fácil da alienação perante as dificuldades. Processa-se então a total negação.

Acostumar transforma-se numa perigosa entrega às apatias tão comuns, quando a pessoa se sente incapaz de lutar contra a desordem familiar, social, política e econômica. Passamos a ser vitimas deste rolo compressor. Vive-se no limite da razão, neste período alguns se engajam a uma tendência política e ou filosófica, ou mesmo buscam filiação partidária. Há registros até mesmo de casos de suicídios nesta fase em que tudo parece não ter solução, quando o pensar extremo invade seres nas suas buscas, que culmina com tirar a própria vida. Desilusão total.

Aceitar e acostumar são as novas inquietações, na fase que entramos numa espiral existencial, quando somos levados a uma função no sistema produtivo. Nesta miscelânea entramos no ápice da vida profissional e começa a ter de aceitar péssimos gerentes, imbecis dirigentes tudo em nome da sobrevivência e defesa do pão nosso de cada dia. Nessa jornada, aceitamos a pobreza do pensar geral do salve-se quem puder. Já não somos seres racionais na integridade e essência, assim desfilamos pela vida, a nutrir nossas mais terríveis decepções e frustrações, pela incapacidade de resolver as questões cruciais humanas e sociais. Processa-se a insatisfação.

Assim é preciso uma ação multiforças com sabedoria, na preparação de nossas crianças, nossos jovens na maneira de se conduzir na longa jornada. Nesta ação de mãos dadas entre famílias, escolas e comunidades, inclusive num arrastão trazer a igreja, para uma perfeita orientação vocacional e de vida, para exercício de fazer prevalecer os melhores e capazes, na condução dos processos. Criar a responsabilidade política e fazer mudar todo pensar no exercício de uma função política. Processa-se a reflexão.


E penso, que se assim procedendo, teremos homens melhores e pessoas mais felizes.


Visite o autor:



6 COMENTÁRIOS:

LUCONI

Toninho é um amigo de uma alma ímpar, sensível, carinhoso e muito fraterno sempre iluminando-nos com seus sábios textos ou com seus belos e irretocáveis poemas, aqui mais uma vez ele acerta em cheio, já havia lido e comentado este texto no seu blog, mas relê-lo foi muito bom, parabéns meu amigo você é demais, beijos Luconi

SONINHA

Eu também adorei este texto, amiga!
Beijinhos!!!! Muuuuitos!

✿ chica

Mais um maravilhoso texto do nosso querido Toninho,pessoa dotada de sensibilidade incrível.

abração, FELIZ NATAL e tudo de bom aos dois e suas famílias, claro!

Severa Cabral(escritora)

Meu adorado e doce amigo!
Que bom te ver aqui menino querido e amado.Esse texto me emocionou muito quando li no seu blog,e agora relendo só quero dizer que estou emocionada por ter te conhecido neste ano de 2011...tenho grande motivo para sorrir,kkkkkkkkkkk,vc vai ter que me aturar no ano de 2012,pois não quero nunca te perder meu amigo,kkkkkkkkk
Anne vc é 10 nas escolhas para por neste cantinho tão amado...
Toninho meu amor !Deixo prá ti todos os beijinhos para te fazer sorrir,rsrsrsrsrsrs

Tunin

Reler Toninhobira aqui é deliciar duas vezes de seus fabulosos e bem escritos textos. Merecida homenagem, Anne! Abração.

Toninhobira

Que emoção amiga,fico feliz,grato e honrado com tamanha simpatia.Agradeço aos que aqui deixam palavras incentivadoras para o prosseguir.Este lado magico que me faz cada vez mais crer nas pessoas e nesta nossa luta de um mundo melhor.Vamos prosseguir.Meu abraço de admiração e paz.Bju.Um lindo e Feliz Natal amiga.

Compartilhe