• Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Evanir Garcia

  • Jonas Sanches

  • Franciangela

  • Nato Matos

10/05/2012

Violência gera violência





VIOLENCIA GERA VIOLENCIA
( Celina)

“Há muito me convenci de que os homens não apenas se amam nos outros, mas também se odeiam neles”.
                                                                            Goethe

Hoje estou muito diferente, quando estou em sofrimento seja pela perda de um ente querido, por doença em família ou mesmo em mim, ou por palavras que magoam, eu me refugio no silencio, parece que a dor dói mais é verdade, a oração e a fé em Deus que tudo passa!

Antigamente era diferente, o meu temperamento era muito explosivo, não levava desaforos para casa. Não tinha paciência, só com crianças e sempre quis ter uma família grande!

Inúmeras vezes passei por situações difíceis defendendo animais, cavalos chicoteados, cachorros mal tratados e crianças também.

Vou ilustrar contando um episodio lamentável. Certa vez estava comprando alguns livros espiritas em uma loja no centro da cidade, quando escutamos uma algazarra acompanhada de gritos de “mata, mata!”.

Eu fui olhar do que se tratava desobedecendo aos conselhos das senhoras da livraria.Enfrente da livraria tinham dois postes, um grande e um pequeno e um espaço entre eles, cheguei no momento em que eles colocavam a cabeça do rapaz no meio dos postes tentando enforca-lo ou quebrar o seu pescoço.

Era uma turba de loucos!

Quando eu vi aquilo, aquele horror, eu fui até o moço e mandei que eles o largassem. Eles alegavam que era um ladrão e que iam mata-lo! Eu gritei tanto que os assustei, dizendo: “ninguém toca nele!”. Fui afastando aqueles que estavam mais perto, eles soltaram o rapaz.

O rapaz estava ficando roxo, sem folego, me sentei no meio fio perto dele e disse ninguém vai tocar em você.

Então eu falei para as pessoas que na praça tinha um posto policial e que ficaria com o rapaz até a policia chegar. Era uma cena que chamava atenção de quem passava o rapaz deitado no chão e eu sentada no meio fio perto dele, jamais esqueci aqueles olhos a me fitar, sem falar nada, talvez pensando “sai daquela turba e vou cair na mão da policia!”.

Neste instante se aproximava um dos que estavam na confusão com um soldado da policia, que ao se aproximar me perguntou: “É seu filho?”, eu respondi “Não, é meu irmão!”.

Eles o levaram, os curiosos seguiram junto. Eu voltei à loja para pegar os livros que comprei, as senhoras me deram agua com açúcar e falaram todas ao mesmo tempo” A senhora podia ter morrido!!”.

Estas peripécias o meu marido nunca soube. O que uma religião faz, nos modificando, agindo de forma diferente.

Paz Celina



Visite a autora em seu blog:

Celina

4 COMENTÁRIOS:

Christian V. Louis

Que texto Celina!
Eu sempre afirmo que uma religião somente possui valor se for para acrescentar valor a uma pessoa. Independente de suas teorias, se possam parecer absurdas ou não a maioria.
Realmente, manter o autocontrole não é fácil, principalmente em uma sociedade que adora ver um sangue jorrar.
Meus parabéns pelo texto e a Anne por ter compartilhado.

✿ chica

Texto forte, verdadeiro e faz muito pensar...E a violência atrai mesmo violência...beijos, às duas,chica

Giancarlo

Purtroppo viviamo in un mondo pieno di odio ed egoismo, non so dove andremo se continueremo su questa strada!
buona serata a Te...ciao

Maria Alice Cerqueira

Querida Anne
meu Abraço de Paz e bem!

Mãe do céu da terra e do mar
Por favor,
Ensina-nos o teu segredo
Do Teu Amor
Para que não tenhamos medo
De apreender Amar!
Meu abraço carinhoso para você!

Feliz dia das Mães!

Maria Alice

Compartilhe