• Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Evanir Garcia

  • Jonas Sanches

  • Franciangela

  • Nato Matos

22/08/2012

Assim caminha a desumanidade





( Augusto Sperchi)


Dizem que, na lei do mar, o peixe grande devora o pequeno, e que, na lei da selva, não há espaço para os doentes e fracos e somente sobrevivem os fortes e capazes de se esquivar dos predadores. Na natureza, o predador não pode ser visto como o negativo porque, ao alimentar-se de outros animais, promove indiretamente um controle de natalidade das espécies predadas. A superpopulação poderia aniquilar uma espécie não apenas pela falta de alimento, mas também pelo instinto agressivo de sobrevivência. Assim, as aranhas, libélulas, aves, pequenos mamíferos e outros predam os insetos, mantendo sua população controlada. Os felinos no geral, hienas, cães selvagens, ursos, lobos, lontras e outros carnívoros mantêm não somente suas populações num rígido controle, mas também as populações das espécies predadas, permitindo, dessa forma, que o equilíbrio se estabeleça no sistema. A mesma coisa acontece nos mares, lagos, pântanos, selvas e montanhas. É justamente esse equilíbrio que faz alguns homens pensarem que a natureza possui uma sabedoria ou até mesmo uma consciência de si mesma e das coisas vivas que ela mantém. Isso fez surgir uma teoria, a Hipótese Gaia. Segundo ela, o planeta é um imenso organismo vivo, capaz de se autorregular, e que a vida controla a manutenção da própria vida. Apesar da discordância dos cientistas, ela chama a atenção para as relações entre os seres vivos e os ambientes, entre a espécie humana e os demais seres vivos, além de refletir sobre o impacto que nossas ações causam no planeta. Assim, as leis do mar, da selva e a teoria de Gaia, fruto de uma observação direta, tão válidas em qualquer ecossistema, também se aplicam às sociedades humanas de hoje. Desde a Idade Moderna, a concentração de capital nas mãos de poucos, vem determinando uma concorrência desleal e imoral entre os homens a ponto de fazer surgir um valor muito apreciado na atualidade. É a competitividade. Ter competência não significa apenas que uma pessoa possui habilidade para realizar tal coisa; mas que ela seja capaz de superar a si mesma e as demais, mesmo usando de meios escusos e subterfúgios nefastos. Uma pessoa assim é valorizada no mercado de trabalho. Há algumas décadas, o bairro onde morava era servido por mercearia, padaria, sapataria, farmácia, quitanda, armazém, lojas de tecidos, móveis, material para construção e outras. Em pouco tempo, uma grande loja de departamentos se instalou num imenso terreno onde a molecada jogava pelada e empinava suas pipas. O povo achou maravilhoso ir a um lugar e encontrar tudo aquilo de que precisava apenas percorrendo os departamentos. Os preços então, eram de se admirar! Crédito? Nem se diga! Facilidades, entrega rápida, variedades, novidades? Não tinha para ninguém! Em apenas dois anos quase todas as lojas do bairro faliram. Para não morrer de fome, o dono da padaria foi trabalhar como funcionário na grande loja, porque tinha suas habilidades. O pedreiro passou a ser entregador de material de construção. Os funcionários de várias lojas falidas encontraram ocupação nos mais diversos setores. O farmacêutico foi o último a encerrar sua atividade. Dizia que estava se aposentando, mas todos sabiam que era a concorrência de uma imensa drogaria ocupando todo um setor da grande loja. Assim que todas fecharam, o peixão aumentou todos os preços e o povo ainda paga caro pelo encantamento. A lei do mar e da selva, levada às últimas consequências e ultrajada em sua origem, acabou se impondo. O predador humano pouco se importa com o equilíbrio natural, superpopulou o planeta, estabeleceu a competitividade como o valor máximo e dá de ombros para um possível aniquilamento. Assim caminha a desumanidade.


Visite o autor: Augusto Sperchi 



5 COMENTÁRIOS:

Mery

"Assim caminha a desumanidade"...
Sábio post, é isso mesmo e a gente não percebe a "desumanização.
Estamos iludidos e o encanto vai até onde?
Abços

✿ chica

Maravilhoso texto e o homem, infelizmente ,ainda não está convencido que precisa RESPEITAR sua terrinha... abração aos dois,chica

Luna Di Primo

o homem: ambicioso e desleal corre para as aparentes vantagens. um mega texto.felicitações. Anne sempre nos trazendo o top... bjuuu nos dois

Augusto Sperchi

Olá Anne! Gostei demais de você ter publicado meu texto. Seu espaço é muito interessante e as publicações são de alto nível. Isso demonstra seu gosto e caráter em publicar também todos os créditos dos autores. Esteja à vontade para publicar qualquer texto do meu blog, tá? Um grande abraço!

LUCONI

Muito bom, a grande verdade é que a humanidade está perdendo o direito a este nome, nunca foi vista tanta desumanidade, uma pena, beijos Luconi

Compartilhe