• Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Evanir Garcia

  • Jonas Sanches

  • Franciangela

  • Nato Matos

13/08/2012

Basta,não aguento mais!






Basta, não aguento mais!

( Mineia Pacheco)



Felipe já não suportava mais ir à escola, todos os dias ele era motivo de gozação entre os colegas.
- Ei quatro olhos, para onde você vai? - Era como ele sempre era chamado.
Felipe nunca tomou nenhuma atitude, sempre andava cabisbaixo na escola, não tinha amigos e na sala de aula não falava nada. A professora já havia falado com ele várias vezes perguntando se acontecia alguma coisa e a psicóloga da escola também, mas Felipe não contava nada para ninguém, tinha muito medo de que os colegas descobrissem e aumentassem ainda mais as gozações.
- Quatro olhos, quatro olhos!!!
Quanto mais ele evitava passar perto dos colegas, mas eles aumentavam as gozações.
Certa vez até levaram um cartaz com um pequeno monstrinho com quatro olhos, quando Felipe viu correu para o banheiro e ficou lá por um bom tempo chorando muito.
Pensava...
- Porque eles fazem isso comigo? Nunca fiz mal algum a nenhum deles, nunca os denunciei para ninguém da escola. Porque eles continuam a me perseguir?
Depois de um bom tempo, Felipe saiu do banheiro e foi para sua sala de aula, a professora ainda não havia chegado e quando ele entrou na sala, observou todos da sua turma o olhando e começando a rir muito. Ele quis fugir, mas não pôde, pois alguns dos colegas haviam fechado a porta, então imediatamente ele correu e sentou em sua cadeira, quando olhou para o quadro branco da sala de aula viu o mesmo cartaz com o seguinte texto: Felipe, o monstrinho de quatro olhos da sala!
Após ver o cartaz ele ficou apavorado, olhou em volta da sala e viu todos rindo dele, ele queria fugir para nunca mais volta... Até que, no momento de desespero, ele levanta e grita:
- Basta, não aguento mais! Todos os dias é a mesma coisa, será que vocês não têm nada melhor para fazer? O que fiz com vocês para merecer isso? Nunca denunciei nenhum na coordenação, mas vocês continuam me perseguindo e isso vai acabar hoje, vai acabar agora!
Ele falou o mais alto que pôde, para que todos pudessem escutar bem o que falava. Na mesma hora a professora chegou e perguntou o que estava acontecendo. Felipe falou tudo, desabafou, chorou e entregou todo o grupo que o perseguia há muito tempo.
O grupo foi suspenso e nunca mais perseguiram Felipe, na verdade eles agora estavam é com medo de Felipe e ele se tornou o aluno mais participativo da sala, falava muito, pergunta e tinha feito muitos novos amigos. O medo havia passado, o problema tinha sido resolvido e a escola voltou a ser a segunda casa de Felipe, como toda escola deve ser!


5 COMENTÁRIOS:

✿ chica

Felipe deu o troco sendo o melhor aluno.Faltava um detalhezinho! Eles aprenderam a lição!beijos,chica

O Profeta

Saberás que há pedras brancas na ilha
Que a raiva é cegueira à maravilha
O mar às vezes se veste de maresia
Que um amor no amar confia?

Saberás que às vezes escondo o coração à crueldade do mundo
Que o que outrora desejava agora receio
Que a minha desesperada mente combate a tua
Que a ternura às vezes morre ao meio da rua
Boa semana

Doce beijo

Minéia Pacheco

Oi Anne,

Tão bom poder (re)ler minhas histórias aqui. Obrigada por compartilha mais essa!

Tenha uma ótima semana!!

Leninha

Tantos Felipes sofrem e se calam...um dia todos aprenderão a dar um basta.

Bjssssss,
Leninha

Sônia Silvino (Crazy about Blogs)

Isso sempre aconteceu, mas só agora deram um nome: bullying.
Eu era chamada de "girafa" na escola por ser muito alta e magra (bons tempos... kkkk).
Beijos!

Compartilhe