• Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Evanir Garcia

  • Jonas Sanches

  • Franciangela

  • Nato Matos

24/09/2012

A banalização d violência






( Augusto Sperchi)





Há muito tempo o homem domesticou vários animais e plantas, o que lhe permitiu a fixação nas regiões mais inóspitas do planeta. O boi, cão, galinha, carneiro, bode e cavalo foram dos primeiros animais e o trigo, cevada, arroz, centeio, uva, figo, batata e milho, das primeiras plantas. A estocagem de grãos e cereais, as reservas de proteína, advindas da carne, e a utilização da força de tração e de locomoção dos animais tornaram possíveis ao homem um tempo maior para se dedicar ao desenvolvimento das relações sociais, da tecnologia e da arte. Com o passar do tempo, os seres domesticados se tornaram tão imprescindíveis ao homem que é praticamente impossível viver sem eles. Os lapões não viveriam em plena neve se não fossem as renas, os beduínos não sobreviveriam no deserto sem o dromedário, os mongóis sem o boi iaqui, os incas sem a lhama. É obvio que o homem atual, com tantos afazeres dentro da sociedade, com tanta divisão no trabalho e na produção de bens, os vitais e os supérfluos, torna-se mais dependente da produção de alimentos e de derivados de plantas e animais, como as fibras, óleos, combustíveis renováveis, variadas proteínas e outros. Sendo assim, o que explica a agressividade gratuita que certos homens dispensam aos animais, de quem precisam tanto? Como justificar os maus tratos em nome da diversão de fanáticos? Na Creta antiga, esportistas divertiam a plateia saltando sobre touros, que depois era sacrificado e comido pelos mesmos. O mesmo ritual é ainda praticado no litoral de Santa Catarina. A arena do Coliseu se tingia de vermelho do sangue de animais e de homens que se enfrentavam até a morte, enquanto a plateia chegava ao delírio. Incontáveis animais foram retirados do seu habitat para serem mostrados nos circos, onde enfrentavam torturas alucinantes, minúsculas jaulas, garras extraídas e dentes serrados. Quase sempre, a polícia estoura locais para rinha de galos, de cães e até de canários. Nos rodeios do Brasil afora, bois e cavalos são submetidos à humilhação, enquanto o público se diverte com esse horror. Pimenta e vidro moído são introduzidos nos ânus desses animais, enquanto uma correia lhe aperta a barriga, colocando em risco seus órgãos internos. Em vários criadouros de aves, araras, papagaios, faisões, gaviões, emas, avestruzes e outros têm suas penas arrancadas para serem usadas nas fantasias de carnaval. Essa violência contra os animais não tem limites e muitos exemplos poderiam ainda ser citados e não se encontra explicação nos estudos da psicologia humana. E quem explicaria então a violência que se vê nas lutas entre duas pessoas adultas, transmitidas atualmente pela televisão? Essa mesma mídia que veicula imagens de estudantes se batendo nas escolas, de torcedores fanáticos se enfrentando e matando adversários de torcida. Adianta a criança e o jovem serem protegidos pelo ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), se seus pais se extasiam assistindo a essas lutas violentas entre pessoas? O que leva duas pessoas a se baterem dessa forma? E o que se passa no inconsciente dos que assistem a essa barbaridade? Por trás desse prazer pode existir uma violência incontida e que se expõe ao torcer por um ou outro lutador? A violência banalizada está entrando na casa das pessoas com convite especial. Perdoem-me os aficionados, mas não posso me calar e não denunciar o horror que está se espalhando e contaminando as pessoas. Todos os leitores deste texto estão livres para opinar sobre o tema.


Visite o autor: Augusto Sperchi 


4 COMENTÁRIOS:

✿ chica

Incrível mesmo isso.A violência está {a mostra pra quem quiser ver! Lin do e reflexivo texto! abraços,chica

Ana Miranda

Um dia desses escrevi sobre sentir-me um ser de outro planeta exatamente por abominar qualquer forma de violência.

As pessoas assistem, vibram com a violência gartuita em um programa familiar. Ou vão juntos assistir esses horrores ou sentam-se me frente a televisão - em família - e ficam assdistindo, juntoa às crianças, como se fosse a coisa mais normal do mundo.

Se isso é normal, se a violência contra os indefesos animais ou mesmo a uns brutamontes que ficam estapeando-se par outros seres humanos(???)ficarem vibrando, prefiro mesmo ser de outro planeta!!!

Belíssimo texto!!! Concordo da primeira à última palavra.

Toninhobira

Um texto denuncia com a realidade clara das atrocidades humana para com os animais.E ainda com toda repressão elas estão soltas pelo Brasil,pois o contigente de fiscais é pequenos diante da consciencia ausente.
Belo grito e que cada um de nós sejamos um soldado desta coisa odiosa.
Parabens ao Augusto.
Grato Anne na partilha.
Bela semana primaveril com alegria.
Abraços amiga.
Bjo.

Sônia Silvino (Crazy about Blogs)

Um texto excelente e que me emocionou.
Sou uma pessoa apaixonada pelos animais e não consigo entender, nem aceitar e muito menos me calar diante de tanta crueldade do ser humano.
Parabéns de pé ao autor do texto e à Anne pela escolha.
Beijos nos dois!

Compartilhe