• Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Evanir Garcia

  • Jonas Sanches

  • Franciangela

  • Nato Matos

06/04/2013

Seguindo na mesma direção


Seguindo na mesma direção
( Joe Father)










Nos últimos anos o Brasil bateu todos os recordes possíveis no quesito divórcio, segundo o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Foram mais de 350 mil somente em 2011.

Qual será a motivação para esse estupendo crescimento?

A mulher conquistando cada vez mais seu espaço?
A desvalorização da família como importante na sociedade?
Falta de um planejamento para iniciar o casamento sem tantas dívidas?
Namoros muito curtos, sem a existência de noivados?
A extinção do amor?

Quem se arrisca a dar um palpite?
continue lendo...

A meu ver podem existir diversos fatores agregados que levam ao divórcio, mas o principal deles, falando agora por experiência própria, é de quando o casal não segue na mesma direção.

Soa um pouco estranho, não é mesmo? Seguir na mesma direção...

O que quero dizer com isso é relativamente simples: nenhum relacionamento vai dar certo se as pessoas não tiverem sonhos e metas semelhantes, além, é claro, de sentimentos mútuos. No meu caso específico, alguns relacionamentos não deram certo porque enquanto um queria ficar parado no tempo o outro desejava prosperar e evoluir. Desta forma não existe relação que perdure, por mais sentimento que exista, pois, como em tudo na vida, necessitamos sempre de um ponto de equilíbrio. Se analisarmos esse meu exemplo pessoal, o equilíbrio citado estava na seguinte ação: aquele que preferia viver no marasmo, que o fizesse, mas não deixasse de dar o apoio necessário para que o outro evoluísse.

De todas as possíveis causas do divórcio, creio ser essa ainda a mais importante, pois quando o relacionamento se torna um cabo de guerra, onde cada qual dos envolvidos insiste em ser “o senhor da razão”; onde o diálogo inexiste; onde é mais fácil calar do que contradizer para se chegar num consenso; onde é mais fácil arrancar uma lágrima do que um sorriso... onde ocorre tudo isso e mais um pouco, um ambiente de disputa é gerado automaticamente e aí não existe vencedor.

Seguir na mesma direção...

Será possível?

Sim, também respondo por experiência própria.

Mas existe um porém fundamental: é extremamente necessário que pelo menos um dos dois se doe mais pelo relacionamento, se transforme no pilar de sustentação do casamento, seja definitivamente o ponto de equilíbrio da relação, afinal, não existem dois seres idênticos, somente semelhantes, e cada um de nós acaba por completar outro alguém, cada qual sendo uma metade um pouco imperfeita, mas perfeitamente compatível com a sua outra metade, ambos compartilhando dos mesmos sonhos, ambos renovando os sentimentos a cada amanhecer...



Visite o autor: Joe Father




3 COMENTÁRIOS:

Daniel Costa

Amiga Anne

Estou muito de acordo com Joe Father. Ele foca os assuntos principais, mas há outros, com sejam assédios, maldososamente, ilegitimos, o cansaço de viver com a mesma, a evolução mental, de cada um, o desejo de alinhamentos pela mediocridade, etc.
No fundo qundo um do casal, um sobressai e o outro tem inteligência de ser apenas conselheiro, tudo bate certo
Beijos de amizade

Rita

(⁀‵⁀,) ✫✫✫.
.`⋎´✫✫¸.•°*”˜˜”*°•.✫
----------------Boa tarde!!!!
Amiga esse é um assunto muito amplo
e é relacionado com tantas coisas
mas gostei do seu post, tem boas dicas......Eu sou divorciada, e se tivesse a experiencia, a fé e a sabedoria de hoje, tudo seria diferente....mas acabou...
Deixo um abraço de bom final de semana
Bjuss
Rita!!!!
(⁀‵⁀,)
.`⋎´

✿ chica

Concordo. A afinidade e cumplicidade deve estar presente...Lindo! abração,chica

Compartilhe