• Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Evanir Garcia

  • Jonas Sanches

  • Franciangela

  • Nato Matos

07/06/2013

A velha cadeira

A velha Cadeira

(Dora Duarte)








Estava ela ali bem diante dos meus olhos, aquela velha cadeira próximo ao um rádio moderno, que me remeteu aos anos 60. Muitas lembranças vieram visitar minha mente em raios de segundos. Parece que estou vendo o meu velho pai sentado nela, a velha cadeira de balanço, ao lado do rádio (o bem mais precioso da casa), fumando seu cigarro de palha e ouvindo as últimas notícias sobre o golpe militar (Revolução 1964) no famoso programa “A Hora do Brasil”. Quando fecho os olhos parece que ainda ouço aquela clássica música “O guarani” do autor Carlos Gomes.




As Notícias corriam mascaradas sobre o que acontecia no nosso país. Na hora que surgia uma voz que dizia: ”edição extraordinária”, lá em casa ninguém abria o bico, para ele ouvir melhor. Era repressão lá em Brasília e lá em casa também. Nem ao menos um dos membros da família tinha o direito de perguntar o que estava acontecendo. Só fiquei sabendo as causas após anos, claro, nos livros didáticos e nem todos revelaram a verdadeira história “mascarada” como foi a primeira vez noticiada.

Um dia, porém, surpreendi minha mãe sentada naquela cadeira de balanço num dos momentos raros, chuleando um vestido, novamente cantando aquela velha cantiga de guerra, que falava de uma carta dum soldado atingido e nas últimas para morrer, escreveu a sua mãe e namorada, fiquei chocada. Despertou-me uma curiosidade, interrompi o canto dela e perguntei se a guerra  tinha acontecido na nossa pátria, nunca tinha ouvido falar. Da primeira vez ela não me respondeu, mas decerto o meu pai havia comentado, pois naquele dia me respondeu pausadamente: ”Não, no Paraguai, mas o ilustre desconhecido era um soldado brasileiro”.

Hoje ao ver o contraste, rádio velho, poltrona nova, rádio novo, cadeira velha, como peça de decoração, fico imaginado... Quantas histórias vividas têm por trás destes objetos!




Visite a autora: Dora Duarte





5 COMENTÁRIOS:

✿ chica

Linda demais! Quantas recordações... beijos,às duas,chica

Gracita

A nossa memória é fotográfica né. A visão de um objeto suscita lindas lembranças.
Beijos
Gracita

Ana Maria

Anne, é mesmo a gente por vezes nem imagina as histórias fantásticas que os objectos à nossa volta tem. Adorei o texto, lindo.
Desejos de um Iluminado fim de semana.
Beijinhos de Luz!
Ana Maria

Lari Moreira

Boa noite!! Muitas coisas trazem uma bela historia...
Mas uma vez atualizo os meus fragmentos, visite quando tiver tempo:
http://maybe-i-smiled.blogspot.com.br/
http://dicionario-feminino.blogspot.com.br/
Fique com Deus, beijos

Lita

Que lindo! Eu também sou assim... por vezes olho um objecto, um móvel, e tanta recordação vem à minha mente... Gostei muito do post.
Beijos e bom fim de semana.
Lita

Compartilhe