• Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Evanir Garcia

  • Jonas Sanches

  • Franciangela

  • Nato Matos

03/08/2013

Recanto entrevista Salloma Sallomão

RECANTO ENTREVISTA 

SALLOMA JOVINO SALLOMÃO

(Anne Lieri)





O Recanto não retoma hoje suas atividades.

Apenas não poderia deixar passar essa entrevista que sei que irá agradar demais.





Nosso entrevistado de hoje é músico, professor da FSA/SP, historiador, produtor musical, um dos vencedores do Concurso Nacional de Dramaturgia Ruth de Souza,tem obras publicadas sobre as musicalidades africanas, tema de seu doutorado,além de diversos CDs e DVDs.

 Doutor em História Social pela PUC-SP e Bolsista da CAPES na Universidade de Lisboa (2004). Suas pesquisas foram financiadas pela CAPES, CNPq e SEPHIS da Holanda. Pesquisador visitante do Instituto de Ciências Socais da Universidade de Lisboa e no momento dedica-se às culturas musicais africanas nos Brasil nos séculos XIX e XX



Acima de tudo e, principalmente,ele é muito amigo, pessoa rara no mundo de hoje e seu talento é acordar e emocionar a gente, com sua voz, suas ideias e reflexões.

Nosso entrevistado de hoje é Salloma Sallomão.




Salloma,onde vc nasceu e onde mora hoje?

Nasci em Passos MG e hoje vivo em Itapecirica, SP. Minas deixou em mim algo de reflexão, de olhar para dentro, São Paulo me deu uma noção do tamanho do mundo




Passos- MG





Itapecirica da Serra- SP



O que esses lugares contam sobre vc?
continue lendo...

 De certa forma vivo dividido entre uma busca das coisas mais relacionados ao entendimento do ser e de outra maneira querendo entender e participar do evento-mundo.   





Fale um pouquinho de sua família e de sua infância para nossos leitores.


Meus pais eram lavradores, nascidos nos grotões das minas negras e escravistas. Meus avôs  paternos viviam até pouco antes do meu nascimento , na mesma fazendo onde meus ancestrais haviam sido escravos. De certa forma Minas tem uma rigidez na hierarquia social que não oferece alternativas aos mais pobres  e sem terra, por isso se viram obrigados a migrar. Por isso chegamos a Sp nos anos 1970. 



    
Seu trabalho musical tem uma longa história. Poderia falar sobre esse novo projeto “ Aurora Negra” ?



Sim o Aurora Negra é um ponto a mais em uma musicalidade que venho construindo e reconstruindo desde a primeira vez em que pisei em um palco de Festival estudantil nas adolescência. Trabalhei com muita Gente boa, gente G maiúsculo, que ficaram definitivamente na minha vida e que partilham de minhas perdas e danos, fracassos e avanços, das minhas descobertas e perrengues, amigos e amigas pelas quais nutro um sentimento de profundo amor e gratidão. Algumas dessas pessoas são hoje, professores artistas e produtores culturais, profissionais das mais diversas áreas, que também fomentam em mim uma busca pelo que é justo e pelo que é belo. Há cada 3 ou 4 anos lanço o Cd, DVd e show novo, que circula sempre em espaços alternativos e nobres. Aurora negra é uma retomada da parte mais cara da minha formação, as  musicalidades e estéticas afro-mineiras relacionadas ao Congos, Caxambus e Moçambiques.  





    
Você tem um site onde posta seus textos, músicas.


Como começou a compor, escrever e que assuntos aborda em seu site e deixe um link.


Meu tema central é Cultura e Movimentos negros contemporâneos, mas tudo que me atrai e tenho tempo, desenvolvo. 





Estive pesquisando em sua página e vc parece estar em todos os lugares ao mesmo tempo...rss... Quem fala mais alto em seu coração: o músico, o historiador, o produtor musical, o político ou o professor?


Todos esses sou eu mesmo. Não há nenhuma esquizofrenia nisso, na verdade acho o mundo rico demais para ficar sempre na mesma perspectiva. O mundo , as pessoas, as coisas ( por exemplo a tecnologia da comunicação)  me atraem muito. Pena que o dia somente tenha 24 horas e a vida seja tão curta.








Explique pra gente sobre a Lei 10639/03 e perdoe minha ignorância.


A resposta é um pouco longa, mas preciso ser didático com seus leitores. Vamos lá?

Voce tem uma filha afro-descendente né? Então o que a tua filha apreendeu durante sua escolarização sobre a parte africana da sua ancestralidade? De outro lado como ela lida com a idéia de ser uma jovem de pele clara, criada em uma família bem escolarizada, e em um meio em que  a maioria absoluta das pessoas tem origem européia, não tem como esquecer que a metade dos seus parentes é negra? Ai é que entra importancia da Escola. Em certo sentido é negado a ela saber efetivamente como a sociedade brasileira se beneficiou da presença física e espiritual dos africanos e seus descendentes. Em outras palavras é como se metade da nossa formação e dela também fosse bem desenvolvida e incentivada enquanto a outra metade de nós ( em nós) fosse abandonada, deixada de lado e tivesse menos importância.



Tem razão,Salloma! As escolas não estão preparadas ou se alienam no momento de passar esse conhecimento a respeito da importância dos negros em nosso país. Senti muito essa dificuldade na educação da minha filha e, junto com o pai dela,procuramos suprir um pouco essa carência.






Desde muitas décadas os descendentes de africanos (que chamamos Movimentos Negros) lutam por uma educação Pública de qualidade e ao mesmo tempo mais abertas, menos eurocêntrica, menos racista enfim. Foi, contudo em 2003 que essa demanda chegou ao Congresso nacional e se publicou a lei 10 639 que institui conteúdos sobre África e Afro-brasil no currículo das escolas brasileiras. Evidente que muitos secretários de educação boicotaram, muitos diretores fizeram pouco caso, muito professores reagiram e essa questão ainda suscita incompreensão, má fé  e má vontade.     Contudo a lei está sendo implantada e a população mais esclarecida tem exercido um papel bem importante de cobrar das autoridades o cumprimento dela. 




       
Uma música que te toca.

Morro velho , Milton nascimento.





Um animal que gosta.

Todos



                            

Um lugar que não esquece.

Uma flor que gostaria de receber.

Antúrio 



Um sonho.

Ir ao Benin e Gana




Benin




Gana


Uma frase para nossos leitores.

A palavra é a chave do mundo.







Para visitar o Salloma e saber mais sobre ele

visite suas páginas. É só clicar nos links abaixo:



Mosaico Negro


Facebook Salloma Sallomão


 Rede Aruanda Mindi

Salloma no You tube- 30 anos de musicalidade e negritude


Salloma canta no My space






Abaixo um resuminho da lei 10.639/03 e quem quiser poderá encontrar mais sobre o assunto aqui.



A Lei 10.639/03,  versa sobre o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana, ressalta a importância da cultura negra na formação da sociedade brasileira.



Salloma Sallomão,

Muito obrigada pela gentileza de sua entrevista.


Estou a sua disposição, bjs


Há muito tempo quero te convidar pra essa entrevista e adorei saber mais de você. Sei que irão gostar também.

Embora seja um pequeno recorte das muitas coisas legais que faz, fica aqui o meu convite a todos os visitantes que conheçam suas páginas, ouçam suas músicas

e leiam seus textos. 

Espero também que de vez em quando você possa enviar um texto, uma música, pra gente postar aqui nesse espaço.Bjs,







4 COMENTÁRIOS:

✿ chica

Foi um prazer ler essa entrevista e conhecer do trabalho, do que pensa Salloma Sallomão . Gostei de seu modo de explicar como está presente em tudo e todos os lugares. Muito legal , parabéns aos dois! abração,chica

Giancarlo

Felice week end per Te...ciao

Mira

Entrevistado, é pelo que percebi
polivalente, pessoa bastante interessante, parabéns à entrevistadora e ao entrevistado
bom fim de semana

Vivian Fernandes de Goes

Olá, Anne!!

Linda entrevista!! Gostei de conhecer um pouco sobre o Salloma!!Que belo trabalho!!!
Parabéns aos dois!
Beijos!

Compartilhe