• Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Evanir Garcia

  • Jonas Sanches

  • Franciangela

  • Nato Matos

14/10/2013

Brincadeira de criança

Brincadeira de criança

(Bia Hain)



 Imagem by freepik


Agosto acabou. Meus últimos agostos não foram promissores, mas esse ano foi diferente. Ainda bem que a vida é um bem mutável.

Li um post no blog Luz da Luma (aqui) que me pôs a pensar sobre as miudezas que cercaram minha infância. As bonecas eram meus presentes preferidos, bem cuidadas, mas bem usadas também... foram filhas, mães, esposas, princesas, enfim, refletiram todos os meus sonhos.Meu lado traquinas emergia com meu irmão. Brincava de carrinho, jogos de tabuleiro e adorava brincar com seu Forte Apache de soldadinhos e índios em miniatura. Ao contrário dos filmes, sempre defendemos os índios... fazíamos guerras de bolas de meia e uma vez quase coloquei fogo em casa acendendo uma paina com um isqueiro! Arte de quem não podia ir à casa dos vizinhos e fazia de casa seu universo mágico.

A liberdade morava na casa dos primos. Quantas vezes jogamos bola queimada, vôlei, pique-esconde, cobra-cega, stop, mãe-de-pega, mãe-de-cola, passa-anel, jogos de tabuleiro...

A adolescência agregou o hábito de escrever pilhas de diários escritos com símbolos facilmente decifráveis... mas eu me sentia segura imaginando que meus segredos (bobos) estariam a salvo impresso em páginas coloridas e decoradas com recortes e adesivos. Havia também a troca dos papeis de carta que eram colecionados em pastas e utilizados para a troca de correspondências.

Perder a inocência era algo que acontecia a seu tempo.

Hoje percebo precocidade, sexualidade e violência em tenra idade. Não quero parecer antiquada, mas vejo o quanto é raro encontrar crianças brincando de ser criança, e fico pensando o quanto queimar etapas pode gerar um adulto vazio, egoísta e frustrado.
Brincar é um aprendizado para toda a vida e quanto mais aprendemos com a criança que fomos mais temos a capacidade de superar dos nossos erros, de sermos solidários e rirmos juntos, e não do outro.

 Fico feliz quando visito minha infância porque lá morou uma criança que sabia... brincar. E que brinca a cada dia mais.


E você, conhece essas brincadeiras? Qual era a sua preferida?





Visite a autora em seu blog:


4 COMENTÁRIOS:

✿ chica

Que maravilha de texto da querida Bia! Ela abordou direitinho e dei relevo ao que realmente é importante.TUDO AO SEU TEMPO, saber BRINCAR como crianças de verdade! Adorei ver a Bia aqui! beijos às duas,chica

Ana Bailune

Linda postagem, e muito evocativa! Eu - a gente - brincava de polícia e ladrão, pique-tá, pique-bandeira, pique-altinho... queimado, vôlei, passa-anel, mamãe cangueira, panelinha, casinha, pique-esconde, enfim, tive uma infância assim. Adorei a leitura! Bom dia, Anne, e boa semana!

Dorli

Oi Bia,
Já fui no seu blog, sou sua fã.
Há uns bons anos tínhamos brincadeira, hoje as crianças brincam de namorar.kkk. Não todas.
Adorei ver você aqui.
Beijos
Lua Singular

Orvalho do Céu

Olá, queridas Anne e Bia
Brincar de boneca era o meu forte também... e de professora com os primos e irmãos...
Post tão bem escrito e o tema favorece a docilidade ainda mais...
Bjm de paz e bem às duas amigas

Compartilhe