• Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Evanir Garcia

  • Jonas Sanches

  • Franciangela

  • Nato Matos

16/02/2014

Janela da infância

Janela da infância, janela das lembranças.

(Shirlei Ribeiro)





Quando abro minha janela, sempre me lembro da minha infância, onde eu podia espiar o movimento da rua, dos vizinhos, dos amigos, dos velhos conhecidos, enfim de quem ia e vinha. 

Hoje, na cidade grande, quando o tempo corrido permite é monótono olhar a janela do apartamento, e observar o vai e vem de quem eu não conheço, ou mesmo de quem mora no mesmo prédio na qual nunca fora desenvolvida uma conversa além do oi e bom dia.

As lembranças de infância me faz recordar sobre as histórias, que meu pai me contava do que via pela janela quando era criança. Muitas vezes, até acredito que sejam um pouco, digamos fantasiosas ou exageradas.

Ele contava que morava na beira da praia com seus pais e seis irmãos. Costumava pescar da janela do seu quarto e que em tempo de maré cheia, os siris se escondiam debaixo da cama, então a mãe dele corria com uma vassoura na mão, para defender sua cria do indefeso animal perdido na maré das águas insulanas. 

Lembro-me dele falar que acordava com um boi na janela, mas eu exclamei: -Pai, boi na praia? Assim surge a dúvida sobre a legitimidade de suas histórias.

Retornando as janelas, elas revelam mesmo o passar do tempo. Da época que se viam crianças brincando nas ruas, e agora que se veem pessoas apressadas, vizinhos dentro de suas janelas, outras janelas, ou até mesmo janela alguma. 

Apesar disso ainda acredito existir pessoas do outro lado da janela que devem estar pensando o mesmo que eu: Ah, que saudade da janela da minha infância!




Visite a autora em seu blog:





6 COMENTÁRIOS:

✿ chica

Janelas sempre são lindas inspiração e adorei a da Shirley! bjs às duas,chica

SANTA CRUZ

Janelas são sempre uma beleza adorei o texto parabéns a Shirley e a ti também.
Beijos para as Duas
Santa Cruz

Daniel Costa

Anne, um bom depoimento de Shirlei Ribeiro, estas histórias de vida são sempre interessantes, até para sabermos mais dos costumes locais e maia ancestrais.
Beijos

Luconi Marcia Maria

Anne já fui conhecer a Shirlei e simplesmente adorei a sua casinha aqui na net, ela conta contos de uma forma deliciosa, eu amei. Agora se o pai dela morava em cidade praiana ela precisa saber que aqui próximo, da PG tem uma pequena cidade que não tem asfalto em lugar algum e que quando passei por lá as vacas pastavam ou passeavam pelas ruas inclusive algumas perdidas talvez estavam na areia da praia, então o pai dela pode não ter inventado o boi, parabéns Anne por sempre trazer escritores com grande talento, beijos Luconi

Marlene

Que con to m ais lindo mais terno
que emociona e nos leva a voltar no tempo com a saudade e as recordações
lindo mesmo Saudades de voce amiga um abraço com carinho marlene

Beatriz Bragança

Querida Anne
Escolheu um texto muito bonito!
Todos nos gostamos de olhar pela janela e divagar!
Depois, quando contamos o que vimos, se misturarmos a realidade um pouco de ficçao, o relato fica ainda mais bonito...
Beijinho
Beatriz

Compartilhe