• Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Evanir Garcia

  • Jonas Sanches

  • Franciangela

  • Nato Matos

02/04/2014

O submundo da internet


O submundo da internet

(Marineide dan ribeiro)





Bem-vindo ao submundo do crime na internet. Esqueça as páginas.com. br que você está acostumado. Estamos falando de espaços virtuais aonde o Google não chega - a Deep Web, ou internet profunda. Tem de tudo lá: pedofilia, narcotráfico, encomenda de assassinatos, tráfico de armas, pessoas e órgãos. Sem contar todo tipo de bizarrice sexual - até sexo com cadáveres e automutilação - e grupos de discussão neonazistas e satanistas.

A Deep Web surgiu nos Estados Unidos em 1998, mas segue pouquíssimo conhecida e difundida, embora conte com adeptos em Rio Preto. Sua principal característica é o anonimato do usuário. Diferentemente da internet convencional, os navegadores da web profunda ocultam o IP (espécie de RG) do computador do usuário por meio de uma série de servidores espalhados mundo afora. Ao passar de um servidor para outro, perde-se o registro da conexão originária, o que torna muito difícil eventual rastreamento pela polícia. Um paraíso para hackers e criminosos de todo tipo.

A internet profunda opera como uma cebola, dividida em camadas. Quanto mais profunda, maior o número de barbaridades que se encontra. A reportagem do Diário passou três dias mergulhada entre as camadas um e três desse universo paralelo da web, comparada à parte submersa de um iceberg. E o que encontrou foi estarrecedor. Navegar em um celeiro de hackers é altamente perigoso. O risco de ter a máquina invadida e dominada por vírus é imenso. Por isso, o computador deve estar bem protegido com sistema de firewall e antivírus potente.

No nível um, o primeiro passo é baixar um programa específico, chamado Tor. Mais de 90% das páginas estão em inglês, e os sites não têm nomes simples, como na internet conhecida. São sempre longas sequências de consoantes, com o final .onion. Por isso, é necessário pesquisar sites de busca e diretórios de links. Nesses últimos, há dezenas de páginas com ofertas de droga de todo tipo e preço em bitcoin, a moeda da Deep Web - cada bitcoin vale cerca de US$ 800. Três gramas e meio de “Maconha orgânica russa” é vendido a 42 euros, ou 0,094 bitcoin, por exemplo. Também se encontra cocaína, LSD, mescalina e remédios controlados, como diazepan e oxicodona. Ou é possível aprender a produzir metanfetamina e preparar um coquetel molotov.

Johnny Torres
Clique para ampliar.
O rio-pretense Júlio Pereira Neto, que usa a Deep Web para pesquisas acadêmicas Pedofilia

Não é difícil se deparar com fotos e vídeos de conteúdo pedófilo - crianças e adolescentes nus e em cenas de sexo explícito - além de cenas de canibalismo e automutilação. Impossível não ter nojo. Mas há coisa pior, nas camadas mais profundas, como um livro em inglês que ensina a matar silenciosamente, com o uso de gás ou veneno. Em fórum latinoamericano, um internauta pôs à venda meninas de 8 a 12 anos, “do México à Argentina”, com os respectivos preços. As de 8 anos valem US$ 2 mil, as entre 9 e 10, US$ 1 mil, e as mais velhas, de 12, US$ 500.

O estudante de Rio Preto Julio Pereira Neto, 24 anos, se assustou quando, no nível seis, viu fotos de meninas menores de dez anos transformadas em bonecas sexuais e vendidas por US$ 60 mil. “Naquele dia eu chorei. Não dá para acreditar no que o ser humano é capaz.” Julio diz frequentar a Deep Web para pesquisas acadêmicas e investigação de crimes virtuais, já que faz parte de grupos de ativismo contra o crime eletrônico. “Há gente do bem nesse meio, mas a maioria são hackers.”

Para o delegado Marcínio Tavares Neto, da Delegacia de Repressão aos Crimes Informáticos (DRCI) em Porto Alegre, a Deep Web está se expandindo no Brasil, mas, para ele, esse ambiente nunca será mais popular do que a internet convencional. “A Deep Web é um nicho, lugar que serve para os hackers e pedófilos trocarem experiências para aplicá-las na internet mais conhecida, assim como trocar material criminoso obtido aqui em cima.”

Reprodução
Clique para ampliar.
Sites na Deep Web oferecem todo tipo de ilegalidade, incluindo fotos de crianças e adolescentes nus (à esq.) e drogas, como cocaína (dir.), heroína e maconha




>> Clique aqui e entenda o esquema do Deep Web

A DEEP WEB DO BEM

A Deep Web não é apenas uma terra virtual sem lei. Há conteúdo interessante na internet profunda, como busca de artigos e livros acadêmicos (ainda que muitos deles sejam pirateados), troca de informações de interesse público e até disponibilização de milhares de documentos sigilosos - o Wikileaks, site de divulgação de papéis confidenciais do governo norte-americano, está hospedado na Deep Web.

A espionagem da Agência Nacional de Segurança (NSA), dos EUA, nos computadores do mundo inteiro, denunciada ano passado pelo ex-agente Edward Snowden, aumentou a popularidade da Deep Web, onde o rastreamento da navegação é muito mais complicado. “Na Deep Web temas mais polêmicos estão mais expostos, na tradicional tem menor confiabilidade e não são explícitos. Existem opiniões a favor e contra as postagens que não são apagadas pelos donos do site. Sites com conteúdo amador dificilmente são encontrados, quem está ali não navega por acaso”, afirma a estudante rio-pretense J.F., 28 anos, que preferiu não se identificar.

Ela começou a usar a Deep Web há um ano e meio, por curiosidade. “Encontrei coisas interessantes sobre política e economia mundial em artigos muito bem fundamentados, coisas com as quais não estava acostumada na internet, muito menos na mídia tradicional. Comecei a me sentir em casa daí resolvi explorá-la melhor.” A Deep Web também é muito usada em países onde a liberdade de expressão é restrita, como no Irã, China e Coreia do Norte. Essa característica confere utilidade a esse ambiente e impede sua destruição, explica o especialista em cibersegurança da Unesp em Rio Preto, Adriano Mauro Cansian. “Nos países civilizados, impedir um ambiente de troca de informações violaria direitos civis constitucionais e daria um poder totalitário a quem o controla”, afirma. “O que adianta é combater o crime no ambiente, e não combater o ambiente em si.”

Pirataria

A internet profunda é o paraíso da pirataria. Há sites como o Pirate Bay (baía da pirataria, em inglês) onde se encontra de tudo: músicas, livros e filmes do mundo todo, sem custo algum. Mas o risco de um desses arquivos vir com algum vírus indesejado é enorme. “Certa vez esqueci meu mail aberto e passei a receber spams diariamente. Os hackers estão ali esperando os recém chegados, e dependendo do conteúdo que você acessa pode se dar mal. Até espiar é perigoso”, diz.

PF e FBI monitoram hackers e pedófilos

A Polícia Federal garante monitorar a Deep Web, mas prefere não entrar em detalhes sobre o assunto. O Diário apurou que um das técnicas utilizadas pela Divisão de Crimes Cibernéticos é se infiltrar nos fóruns e disponibilizar arquivos com conteúdo ilegal - pedofilia, por exemplo - com dispositivos ocultos que permitem aos agentes identificar o usuário assim que ele faz o download do material.

Apesar dessas tentativas, o Brasil ainda não tem infraestrutura suficiente para rastrear os criminosos na Deep Web, afirma o delegado Marcínio Tavares Neto, da delegacia de crimes por meio virtual em Porto Alegre. “No mundo, apenas o governo norteamericano, por meio da NSA (Agência Nacional de Segurança, na sigla em inglês) e do FBI (a polícia federal norte-americana), tem condições de investigar esse meio. Até porque 90% do que transita na internet passa pelo território dos Estados Unidos.”

Capitais da maioria dos Estados brasileiros têm delegacias especializadas em crimes cibernéticos - o delegado da de São Paulo, ligada ao Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), não quis dar entrevista. Para essas delegacias, no entanto, o foco está na internet tradicional, diz Marcínio. A explicação é simples. “Nosso objetivo não é moralizar a internet no mundo, mas investigar os crimes de que as pessoas são vítimas, e eles ocorrem na nossa internet do dia a dia, não na Deep Web.”



Visite o blog da autora:

Marineide Dan Ribeiro

9 COMENTÁRIOS:

✿ chica

Ao circular pela internet, esperar encontrar as redes do bem. As outras, um perigo e temos que estar atentos! bjs,chica

Ana Bailune

Eu já tinha ouvido sobre este local terrível. O ser humano pode descer a níveis inimagináveis...

Roselia Bezerra

Olá, querida Anne
Deus é por nós, ainda bem que nos livra de gente perversa e sem caráter...
Bjm fraterno e quresmal

Renata Diniz

Anne! Que coisa estranha, eu não sabia que era tanto assim. Que caminho é esse, de pedra que o ser humano é capaz de traçar? Deus nos livre. Beijo!

Thieres Duarte

Nesse mundo tem de tudo, até as coisas que menos imaginamos, temos que ter sabedoria e discernimento para as nossas escolhas, e sempre procurar o bem... Um grande abraço Anne!

Nati Caetano

Boa tarde Anne!

Texto bom para saber até onde vai a maldade, nossa, me deu nojo de saber disto.

Ontem vim aqui, mas com pressa não li todo o conteúdo. Isto é uma ilha enorme de pessoas do mau.Tem coisas que não dá para acreditar. Eu tive meu blog duplicado e hakeado, entre outras coisas, na própria internet que vc relata. Estou analisando meu blog, não sei o pq de tanto país que não faz parte, entrar na minha página.Vou nas atualizações de visitas, não entendo, pois não aparece. Atualmente confio desconfiando, pois já tive mt decepção. Pagamos a net, fazemos o nosso trabalho, tem gente que é do mau. Vou ser franca sempre, falam o que quiser.Deus é por nós.Aguentando mt coisa calada. Haja paciência!
Não tenho tempo de ficar na net. Vai ser tudo esclarecido.

Beijos
Nati

Marineide Dan Ribeiro

Eu fico profundamente assustada com a capacidade do ser humano para coisas obscuras e negras...Há uma tendência para o mal que está levando as pessoas a se degradarem moral e fisicamente...

Bjusssssssss

Blogger

Hello Ya'll,

Below are the most recommended Bitcoin exchange services (BUY/SELL):
Coinbase: $1 minimum trade
CoinMama

Earn free BITCOINS with the best Bitcoin faucet rotator:
BEST Faucet Rotator

Blogger

Earn free bitcoins from Easy Bitcoin Faucet. Up to 33 satoshis every 10 minutes.

Compartilhe