• Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Evanir Garcia

  • Jonas Sanches

  • Franciangela

  • Nato Matos

04/07/2014

O homem é o lobo do próprio homem

O homem é o lobo do próprio homem.

(Augusto Sperchi)






Muito se aventou sobre a origem da sociedade humana, de como os homens estabeleceram pactos sociais para, aparentemente viverem numa paz forjada. 


Quando e como os homens saíram de um estado de natureza para criarem um contexto separado dela já queimou muita pestana. Pensadores, como John Locke, J-J Rousseau, Montesquieu e Thomas Hobbes, até que se esforçaram bastante para resolver esse imbróglio. Porém, este último cravou uma frase que gerou e ainda gera muita polêmica. Ele reescreveu uma frase do notável escritor latino Plauto, “o homem é o lobo do próprio homem”, ou seja, que, no estado natural, todos se opunham contra todos, que a lei era a dos mais fortes e que o restante era subjugado à força, sem direitos e com o ônus de produzir a subsistência dos mandantes. 

Numa certa época (que ninguém foi capaz de precisar quando) um pacto foi criado para proteger os mais fracos. Foi assim que surgiu o Estado. Como antes os homens eram perfeitamente iguais (Hobbes não explicou como então eram tão divergentes), desejavam algo que fosse regulador do direito de todos, pois todos tinham necessidades iguais e o mesmo instinto de autopreservação.

 Renunciaram então àquela liberdade do estado de natureza em função da tranquilidade do convívio em sociedade. O pacto firmado resolveria de vez as divergências e permitiria à sociedade evoluir. 

Tudo, porém, estaria resolvido se o Estado garantisse de fato uma paz duradoura entre os homens. Mas o que é esse Estado? Do que ele é constituído? Se outrora, a lei do mais forte era a que vigorava, agora é a lei do mais esperto? Os homens continuam lutando e competindo entre si, se aproveitando dos mais fracos, das minorias, tomaram de assalto a própria natureza e se distanciaram dela como se ela fosse um produto a ser negociado na feira. 

Os homens sempre precisaram da natureza, mas ela nunca precisou deles. Pelo contrário, essa espécie é das mais predadoras e, sendo assim, aquele pensador acertou em dizer que o homem é lobo de sua própria espécie. Em busca de riquezas, notoriedade, poder, capacidade de decidir sobre o destino da maioria, muitas pessoas, que não podem ser consideradas humanas, não relutam em retirar do seu caminho qualquer inconveniente. Todavia, em meio a tão vasto deserto, é possível encontrar oásis aprazíveis, com água fresca e sombra generosa.



Visite o autor em seu blog:





6 COMENTÁRIOS:

✿ chica

Lindo texto do Augusto! Vale sempre essas leituras! abração aos dois,chica

Daniel Costa

Anne

Como bem escreveu Augusto Sperchi, o homem sempre foi e será "lobo de homem".
O homem sendo um animal gregário, terá sempre tendência a sofrer a fatalidade sua condição.
Jamais a humanidade se organizou, no sentido do bem comum, por muitas boas intenções que sabemos terem havido.
Beijos

Elvira Carvalho

O homem é o maior predador de si próprio, nem só pelo que consegue fazer aos seus semelhantes, como por exemplo Hitler, mas também pelo que faz a si mesmo com a poluição e alterações climáticas. E ´único animal sobre a terra que não se importa de conspurcar a água que bebe, ou envenenar o ar que respira.
Um abraço e bom fim de semana

Augusto Sperchi

Oi Anne! Como está, minha amiga?
Eu, lisonjeado por postar um texto meu em seu tão prestigiado espaço. Sua generosidade é propalada pelo mundo virtual. Daí, meu Muito Obrigado!

Tunin

É verdade, Augusto. O homem(ser humano) se seguissem o que manda o Deus maior, a vida seria com menos dor.
Abração.

Maria Rosa Sonhos

Anne. Augusto tem sempre uma interpretação que prova a sua inteligência. Beijo! Renata

Compartilhe