• Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Evanir Garcia

  • Jonas Sanches

  • Franciangela

  • Nato Matos

10/12/2012

Uma noite de Peter Pan




Uma noite de Peter Pan
(Carlos Soares)




Sempre fui maravilhado com mundos encantados das fábulas e historinhas infantis.

 Adorava o tradicional... “era uma vez num reino distante...”. Eu pensava: “Num reino distante estão acontecendo coisas”. Ou. “O reino é distante, mas lá as coisas são possíveis”. 

Eu sempre fui um menino diferente. Claro que brincava igual os outros, de bola, de pipa, de bolinha de gude, de pique, mas às vezes no meio da criançada, eu me afastava, sentava numa pedra qualquer e ficava igual gente grande pensando, meditando. 
Quase sempre algum menino me chamava à atenção: “Tá dormindo, Carlos?”.

 Lá no meu bairro, bem no fim mesmo, tinha uma espécie de barranco enorme, quase um abismo, onde a gente brincava de escorregador. Já bem longe passava o rio, e depois do rio, a floresta. Gostava de ficar ali sozinho, sentado, contemplando. Passava horas, desenhando e escrevendo frases bonitas na terra. Eu já era um poetinha. Tinha dia que voltava quase de noitinha.

Sobre os mundos encantados, destaco dois em especial. “Alice no país das maravilhas”, o único livro que já li duas vezes, sem contar as vezes que gostava de ler só trechinhos esporadicamente. Gostava de Alice, por causa do espelho. Sempre lidei muito com espelhos, seja nos meus momentos de viagens íntimas, tristonhas e narcisistas, de vaidade, arrumando o cabelo me dizendo que eu era lindo... ou mesmo nos momentos de brigar comigo mesmo quando fazia burradas. Era no espelho que eu me dizia as coisas e era no espelho que eu sonhava também. Eu me imaginava num país de maravilhas, onde as chances fossem iguais e todos os sonhos fossem possíveis. 

Mas meu preferido era Peter Pan. O menino que se recusava a crescer. Que apenas abria os braços e voava para aonde queria. Quantas vezes me deu vontade de decolar daquele abismo, sobrevoar aquela floresta, fazer plim plim estalando os dedos como meu herói mirim. Uma Sininho do meu lado ( sempre uma presença feminina) jogando em mim o pó mágico da esperança e da ousadia. 

Eu só não entendia ou não gostava muito é de chamarem de “terra do nunca”. Se tudo era possível por que chamar de “ nunca”? Isso me frustrava um pouco, pois pensava: “Primeiro me deixam sonhar, depois dizem que é nunca”. Felizmente prevalecia o espírito sonhador e aventureiro de Peter Pan. Quanto mais diziam para eu não sonhar, mais eu sonhava. Quem me podava, não sabia que na verdade estava me injetando mais ânimo e força, mas eu sei também que as pessoas nos podam porque gostam da gente, e veem excessos que nós mesmos não percebemos... nem mesmo na frente do espelho. 

Por isso aprendi a gostar também das pessoas que me podam, de certa forma me sinto guardado, afinal eu mesmo não sei cuidar muito de mim. 

Como meu heroizinho Peter Pan, acho que eu também não cresci muito, isso às vezes é um pouco triste, mas não foi porque me recusei a crescer, acho que isso já nasceu inserido em mim.

 E mesmo isso sendo um pouco triste, é quando me sinto maior: quando sou inocente, quando não percebo coisas adultas. Além do mais tem gente que gosta do meu jeito.



UMA FADA PARA O MEU SONHO

Haverá uma fada para cada sonho.
Foi Peter Pan quem me disse.
Nos versos que componho, a ele me assemelho.
Aprendi a enxergar além do espelho,
quem me ensinou foi Alice.
Ah, meus anseios. Devaneios. Afãs e afins.
Zombam de mim porque meus sonhos são mirins.
Ora, e daí, se é neles que me consolo?
Criticam-me porque ainda peço colo,
como se fosse proibido chorar.
O céu também chora em dias cinzentos e nem por isso vai acabar.
Nos campos há tantas flores e essas flores têm espinhos e perfumes,
nem por isso vou matar o jardim.
assim também são os amores que têm alegrias e ciúmes
também não vou matar o sentimento que há em mim.
Aprendi com Peter Pan
na minha Terra do Sempre
a buscar um novo amanhã,
não sei viver sozinho
sem palavra mágica e sem plim plim
ainda encontro minha Sininho.
Acredito no que faço, no que sou, no que componho.
Sei que vai existir uma fada para o meu sonho.


Visite o autor: Carlos Soares




6 COMENTÁRIOS:

✿ chica

Carlos encanta sempre!Lindo texto! beijos,chica

Giancarlo

Mi è sempre piaciuta questa fiaba! Felice inizio settimana a te...ciao

Marlene

ANNE ESTE POETA NOSSO AMIGO CARLOS TÃO QUERIDO NA BLOGOSFERA SEMPRE NOS LEVA A SONHAR UM POUCO MAIS COM SEUS
ENCANTAMENTOS SEUS POEMAS E TEXTOS LINDOS PARABENS AOS DOIS BJS DE BOA SEMANA MARLENE

Daniel Costa

Anne

Anne

Calos Soares, por natureza, nasceu com alma de poeta. Lendo a prosa poética, se pode deduzir, todo ele o indicia. A verdadeira poesia, está dentro de nós, como fica demonstrado.
Anne, no meu blog está postado o selo comemorativo de 100.000 visitantes, que é oferecido a todos os amigos.
Beijos

Renata Diniz

Anne! Achei as palavras de Carlos Soares mais encantadoras do que o próprio Peter Pan! Linda mensagem. Beijos!

Edilene

Encantador! Traz renovo pensar que há uma fada para o meu sonho! Bjs

Compartilhe