• Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Evanir Garcia

  • Jonas Sanches

  • Franciangela

  • Nato Matos

13/06/2013

Que tipo de família nos tornamos?

Que tipo de família nos tornamos?





Segunda-feira depois de ir ao mercado comprar algumas coisas, eu e meu esposo fomos a uma pizzaria, estávamos conversando e escolhendo os sabores das pizzas que iriamos pedir para serem feitas, pois neste dia especialmente fazem promoção de rodizio o que atrai muitas pessoas, quando entrou um casal com duas meninas de aproximadamente 10 e 12 anos, e sentaram-se na mesa bem ao nosso lado. 

Pediram refrigerantes e uma pizza, pois o marido disse que o rodizio para eles não seria interessante, mesmo que não quisesse prestar atenção, acabei percebendo que a mulher estava bem triste, em compensação o marido e as duas meninas imediatamente tiraram os celulares do bolso da calça e começaram a utilizar. 

Eu e meu marido começamos a comer e a falar de alguns lugares que gostaríamos de conhecer futuramente, e eles ali do lado calados, enfim a pizza deles chegou, o garçom serviu, e nada de pararem. 

A coitada da mulher ainda experimentou um pedacinho da pizza, mas de repente ela levantou-se da cadeira, bateu a mão na mesa o que fez claro com que todos olhassem em sua direção e gritou: -Isso é passeio? 

Vocês não percebem que só ficam com essas porcarias na mão e nem nos falamos? Que tipo de família nos tornamos? Pegou sua bolsa e saiu correndo chorando, o garçom veio rapidamente à mesa e disse se queriam que a pizza fosse embrulhada, o homem disse que não, tirou uma certa quantia da carteira jogou na mesa, pegou as meninas e saiu atrás da esposa, ainda por cima dizendo que elas eram culpadas de chatear a mãe. 

Fiquei tão chocada que quase não consegui comer mais, afinal de contas essa é a família do futuro? Se na pizzaria eles nem se olhavam imagina em casa como deve ser? Cada um em seu computador ou televisão, trancados em seus quartos isolados? Onde estamos errando e o que estamos fazendo com nossas famílias e vidas? 

Esses momentos juntos que deveriam ser especiais estão sendo trocados por maquinas, a todo momento vejo pessoas com celulares nas mãos, principalmente quando veem alguém e não querem perder tempo para conversar. 

Estamos virando reféns da tecnologia e nos perdendo, espero fielmente que no futuro alguém se lembre do que é sentar-se a mesa com entes queridos, ter uma boa conversa, perguntar como a pessoa está e ser feliz. Está é a família que estou construindo e você?



Visite a autora: Patricia Galis




6 COMENTÁRIOS:

✿ chica

Adorei reler esse texto da Patrícia. Muito bem abordado o tema! beijos às duas,chica

Patricia Galis

Que grata surpresa ler meu texto aqui é sempre bom refletir sobre um assunto tão serio, a família é a base de tudo se não valorizarmos isso o que será do nosso futuro???
Tenho medo do rumo que as coisas estão tomando...affff.

Maria Eduarda

Vi a chamada nos blogs e vim ver gosto destes textos que nos levam a reflexões e adorei, coitada da moça mas hoje em dia esta bem por ai basta reparar nas mesas dos restaurantes praticamente todos estão com celulares nas mãos infelizmente esses momentos deveriam ser de união.
Parabéns Pati e autora do blog o que é bom tem que ser divulgado mesmo.

Lu Cidreira

O pior é, se não tomarmos conta das nossas raízes e retomarmos a vida dos tempos passados estaremos mesmo a ter uma família desse modelo.
Tens toda a razão, e compartilhar é preciso.
Abraço

Ana Paula

Excelente o texto da Patrícia Galis. Uma boa oportunidade para uma reflexão.
Beijo

Orvalho do Céu

Olá, meninas
Lástima que a família tenha se tornado "nisso"!!!
Sejam muito felizes e abençoadas!!!
Bjm de paz e bem

Compartilhe