• Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Anne Lieri

  • Evanir Garcia

  • Jonas Sanches

  • Franciangela

  • Nato Matos

30/07/2012

Sou a verdade das coisas perdidas





(ROSA SOLIDÃO)


Sou a verdade das coisas perdidas... sou o espinho da rosa ferida
Sou o nome perdido na raiz do silêncio... o sussurro do grito calado
Sou a mágoa derramada dum verso... sepultura das coisas sem vida
Sou a noite que não tem fim... sou a penumbra que vive a meu lado

Sou a verdade das coisas perdidas... a procura daquela que era
Sou a voz que chama o silêncio... sou pedra no meio do caminho
Sou a chama oculta na noite... sou a falsa ilusão duma quimera
Sou o punhal cravado na ferida... sou a embriaguês do destino

Sou a verdade das coisas perdidas... a mentira profunda da noite
Sou a loucura dos instantes vazios... a nuvem que esconde o luar
Sou o sepulcro profundo da vida... sou o beijo amado da morte
Sou a mão que acaricia os espinhos... sou a onda perdida no mar

Sou a verdade das coisas perdidas... sou o abismo da noite escura
Sou o inferno tatuado na pele... a escravidão submersa do amor
Sou o infinito entre a vida e a morte... sou a ilusão da ternura
Sou a treva procurando a luz... sou o sorriso amordaçado da dor

Sou a verdade das coisas perdidas... sou a fadiga dos meus braços
Sou o vendaval em mar morto... sou o sol poente na madrugada
Sou a sombra da claridade... no muro que prende os meus passos
Sou o mármore branco da paixão... onda de prazer amordaçada

Sou a verdade das coisas perdidas... sou o tempo cravado na pele
Sou um rio de águas estagnadas... murmurando os meus cansaços
Sou o fantasma do amor... sou a sombra do meu corpo de mulher
Sou a súplica da minha alma nua... sou o vazio dos meus braços





6 COMENTÁRIOS:

LUCONI

Não conheço Rosas Solidão, mas depois de ler tão belo texto, vou rapidinho conhecer, que texto maravilhoso, parabéns a Rosa e a você Anne sempre acerta em cheio, beijos Luconi

✿ chica

Gosto muito das poesias fortes, intensas da Rosa!! Linda!! beijos às duas,chica

Lita

Lindo poema! Gostei muito.
Beijinhos
Lita

Célia Gil, narciso silvestre

Um lindo e intenso poema! Bjs

Ana Bailune

Quanto lirismo! Adorei!

Orvalho do Céu

Olá, querida
O jeito dela escrever é intenso bem como as cores que escolheu para o seu lindo blog...
Bjm de paz às duas

Compartilhe